Versando a vida.
A renúncia é a libertação. Não querer é poder.Fernando Pessoa
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
Carta para Henriqueta.

Minha doce e singela Henriqueta.
Escrevo-te mais uma carta na esperança que venhas me ver na casa de repouso.
As enfermeiras são carinhosas e não me falta nada, teu pai me deixou um seguro que até hoje me protege das necessidades pessoais.
Mas o meu coração, querida filha amada, como dói.
Estou cansada de viver, minha querida.
Tu sabes que nunca gostei de velhos.
Tu bem sabes que só o corpo está decadente, minha alma vibra e sonha com a liberdade.
Os livros têm sido o meu refúgio nesta casa triste com velhos cansados, que já desistiram da vida.
Quando vejo as novelas e olho para eles, percebo que olham para a televisão sem enxergar, cada um vivendo um mundo particular.
Não tenho uma amiga, todos são muito velhos, amada filha.
E eu aqui presa neste corpo decadente, a cada dia vou perdendo a esperança na vida.
Assim não quero mais viver, te digo tranquilamente porque como não respondes às minhas cartas, talvez nem as leia.
Tenta entender Henriqueta, eu amo a vida, mas por amar demais não consigo viver nesta tristeza sem fim.
Eles promovem bailes e eu finjo que estou me divertindo, não quero estragar a diversão dos outros, mas você sabe que não gosto de dançar, sempre gostei dos meus desenhos, meus quadros e minhas criações.
Aqui eles pensam que somos crianças, deixam folhas usadas de um lado e lápis de cor escolar com toquinhos de borrachas velhas e apontadores que logo acabam com os lápis.
Os velhos gostam e dão risada. Chamam a isto de terapia ocupacional. Não gosto e fico irritada, aí as enfermeiras me dão calmantes, que é para não incomodar os outros.
Assim é a vida nesse lugar triste que leva o nome pomposo de “Lar dos amigos da boa idade”
Eu vou me matar.
Está tudo planejado.
Só para saberes meus motivos quando fores obrigada a vir buscar meu corpo encontrares esta carta nas minhas mãos geladas.
Que Deus te poupe de Sua ira, da mãe que apesar de tudo te ama.
Jeanne Geyer
Enviado por Jeanne Geyer em 06/01/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários